Com o objetivo de incentivar a reflexão no contexto desafiador em que nos encontramos, a série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), traz a transmissão ao vivo de debates sobre as principais questões que tensionam a agenda sociocultural e educativa atual. Sempre às 16h, as conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O mês de setembro é marcado em todo o país pela campanha “Setembro Amarelo”, que tem foco na prevenção e combate ao suicídio. Por isso, o primeiro encontro da semana, na terça-feira (8/9), será “Suicídio, Saúde Mental e Isolamento Social”. Serão debatidos os fatores sociais e psicológicos facilitadores do suicídio, os grupos mais vulneráveis e as formas de preveni-lo, como lidar com os sobreviventes e como abordar um assunto ainda tabu em nossa sociedade, bem como os impactos do isolamento social e de outros efeitos da pandemia de Covid-19 na saúde mental. A mesa contará com a presença de José Manoel Bertolote, médico especialista em Psiquiatria e em dependência química e ex-Coordenador de Controle de Transtornos Mentais da OMS, e Karen Scavacini, psicóloga e Fundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, além da mediação e apresentação de Danilo Cymrot, doutor em Criminologia pela USP e pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc.

A quinta-feira (10/9) traz o bate-papo “Visões da distopia: saúde e teatro no pós-Covid-19”, que reúne uma atriz e uma pneumologista, com o objetivo de discutir o futuro das artes performáticas num mundo que possivelmente conviverá com recorrentes epidemias, impondo o afastamento físico e o intermitente esvaziamento das salas de cinema, de teatro e de concerto. Esta mesa compõe o projeto "Pandemia: passado, presente, futuro", que propõe diálogos entre áreas do conhecimento que parecem distantes nas discussões sobre a Covid-19. Este encontro terá a presença de Georgette Fadel, atriz e diretora , ganhadora do Prêmio Shell 2007 por “Gota d'água, um breviário”, e Margareth Dalcolmo, doutora em pneumologia pela USP e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, com a mediação de Marco Akerman, médico e professor da USP e a apresentação de Jair de Souza Moreira Júnior, pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

A construção social da periferia e como a saúde historicamente influenciou na migração e segregação de classes específicas serão assuntos abordados no encontro de sexta-feira (11/9), que leva o título de “A história das desigualdades: construções geográficas e sociais”. A mesa contará com a presença de André Motta, historiador, professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP e Elânia Francisca, psicóloga, especialista em Gênero e Sexualidade e mestra em Educação Sexual, com apresentação de Vicente Martino, assistente técnico da Gerência de Saúde e Odontologia do Sesc SP.

Fechando a programação da semana da série Ideias #EmCasaComSesc, no sábado (12/9), acontece o debate “Pandemia, história e cultura escrita”, que fará uma reflexão sobre como a história pode nos ajudar a entender o momento pandêmico atual. Devemos pensar que os comportamentos excepcionais impostos pela Covid-19 se tornarão práticas normais? Uma nova cultura que transformou, durante a crise, as relações mais essenciais de cada indivíduo com o cotidiano, o trabalho e a morte. A mesa será composta por Roger Chartier, historiador, professor do Collège de France, de Paris e Marta Colabone, historiadora, psicanalista e gerente de estudos e desenvolvimento do Sesc São Paulo, com a apresentação de Emily Fonseca, historiadora e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP, que conduzirá o encontro no formato de entrevista.

 

PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

8/9, terça-feira

Suicídio, Saúde Mental e Isolamento Social

A mesa debaterá os fatores sociais e psicológicos facilitadores do suicídio; os grupos mais vulneráveis; as formas de preveni-lo,  de lidar com os sobreviventes e de abordar um assunto tabu; bem como os impactos do isolamento social, do medo, do luto e de outros efeitos da pandemia de Covid 19 na saúde mental dos indivíduos.

Participantes:

José Manoel Bertolote, médico especialista em Psiquiatria e em dependência química. Doutor em Ciências Clínicas (UFGRS), mestre em Social and Transcultural Psychiatry (McGill Universiity, Canadá). Professor voluntário na Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP. Ex-Coordenador de Controle de Transtornos Mentais da OMS.

Karen Scavacini, psicóloga. Doutora em Psicologia pela USP, mestra em Saúde Pública pelo Karolinska Institutet. Fundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, representante do IASP no Brasil, membro da diretoria da ABEPS, diretora técnica do CONATTS.

Mediação e apresentação:

Danilo Cymrot, doutor em Criminologia pela USP e pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc.

 

10/9, quinta-feira

Visões da distopia: saúde e teatro no pós-Covid-19

Uma atriz e uma pneumologista discutem o futuro das artes performáticas num mundo que possivelmente conviverá com recorrentes epidemias, impondo o afastamento físico e o intermitente esvaziamento das salas de cinema, de teatro e de concerto. Esta mesa compõe o projeto: "Pandemia: passado, presente, futuro", propondo diálogos entre áreas do conhecimento que parecem distantes nas discussões sobre a pandemia de covid-19 - as ciências da saúde, as humanidades, as artes e os saberes tradicionais. Estas ações serão compostas por especialistas, possibilitando uma conversa entre profissionais da saúde e escritores(as), estudiosos(as) da língua ou da literatura, religiosos(as) e artistas plásticos(as), sobre os cenários passados e presentes e as perspectivas quanto às mudanças impostas por surtos epidemiológicos como esse que está em curso, com características particularmente agudas no Brasil. Mais que simples diagnóstico da situação, trata-se de refletir, sob pontos de vista diferentes, e sem perder a referência do passado, sobre um futuro próximo cada vez mais incerto, partindo do multifacetado acervo cultural e científico brasileiro.

Participantes:

Georgette Fadel, atriz e diretora formada pela USP. Prêmio Shell 2007 de melhor atriz por Gota d'água, um breviário

Margareth Dalcolmo, doutora em pneumologia pela Universidade Federal de São Paulo, é pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz.

Mediação:

Marco Akerman, médico e Professor Titular do Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Apresentação:

Jair de Souza Moreira Júnior, pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

 

11/9, sexta-feira

A história das desigualdades: construções geográficas e sociais

Debate entre um historiador e um líder/representante da periferia sobre a construção social da periferia e como a saúde historicamente influenciou na migração e segregação de classes especificas da sociedade para esse território marginal da sociedade. Periferias geográficas e sociais e seu papel na determinação social das doenças e na construção de desigualdades.

Participantes:

André Motta, historiador, professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP e Coordenador do Museu Histórico na mesma instituição.

Elânia Francisca, moradora do extremo sul de São Paulo, psicóloga, especialista em Gênero e Sexualidade e mestra em Educação Sexual.

Apresentação e mediação:

Vicente Martino, assistente técnico da Gerência de Saúde e Odontologia do Sesc SP.

 

12/9, sábado

Pandemia, história e cultura escrita

Pode a história nos ajudar a entender a pandemia, que desde a primavera deste ano alterou tão profundamente nossas vidas? Devemos pensar que os comportamentos excepcionais impostos pela Covid-19 se tornarão práticas normais dos tempos futuros? A pandemia foi (e todavia é) um tempo do todo digital (ou quase), tanto para as comunicações informais quanto para o ensino, as feiras do livro e os congressos acadêmicos, a edição e as leituras. Devemos considerar como o primeiro momento de uma nova cultura? Uma cultura sem livrarias, sem livros ou jornais impressos, sem experiências vividas no mesmo espaço e no mesmo tempo. Uma cultura que transformou, durante a crise, as relações mais essenciais de cada um com o cotidiano, o trabalho, a morte. Responder a estas perguntas e ansiedades não é fácil. Supõe a localização das práticas impostas pelo tempo da Covid-19 nas mutações prévias das práticas culturais. Este é o objeto dessa conversa inspirada pela ideia que só um semelhante diagnóstico permite imaginar como devemos nos comportar (como consumidores, como leitores, como cidadãos) para que o futuro não se torne pesadelo.              

Participantes:

Roger Chartier, historiador, professor do Collège de France, em Paris (FRANÇA) e professor visitante na Universidade da Pensilvânia (EUA).

Marta Colabone, historiadora, psicanalista e gerente de estudos e desenvolvimento do Sesc São Paulo.

Apresentação:

Emily Fonseca, historiadora e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

+ SESC NA QUARENTENA

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

Mesa Brasil | Tecido Solidário | Fabricação Digital de Protetores Faciais | Teatro | Música | Dança | Cinema | Esporte | Crianças | Ideias | SescTV | Selo Sesc | Edições Sesc São Paulo | Youtube Sesc São Paulo | Instagram Sesc Ao Vivo | Portal Sesc SP

+ SESC DIGITAL

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Saiba +: Sesc Digital

AstraZeneca e governo Brasileiro assinam…

29-06-2020 Hits:198 Saúde Fabio

Fiocruz será a responsável pela produção local com a transferência de tecnologia