Promover o debate sobre o sentido da fé em tempos de intolerância religiosa, abarcando temas atuais e urgentes como fake news, conservadorismo, extremismo político e ataques à arte, à ciência e à educação. Essa é a proposta do documentário "O Avesso do Altar", produzido em São José do Rio Preto (SP), que faz sua estreia neste sábado (8/8), às 20h, com uma exibição ao vivo e gratuita no Facebook (@oavessodoaltar) e YouTube (canal Núcleo Arcênico).

 

A obra tem direção de Alexandre Manchini Jr. (ator, pesquisador e diretor do Núcleo Arcênico de Criações), roteiro de Carolina Capelli (mestra em antropologia social), e foi contemplada no edital de artes audiovisuais (circulação) do Prêmio Nelson Seixas 2020, da Secretaria Municipal de Cultura de São José do Rio Preto.

 

A partir do processo de construção e da repercussão do espetáculo de dança-teatro "A Fé que Acostumou a Falhar", do Núcleo Arcênico, o documentário investiga as formações históricas de dominação religiosa no ocidente e seus expoentes patriarcais mais atuais, como a institucionalização da bancada evangélica e a opressão à mulher.

 

"A Fé que Acostumou a Falhar" estreou em agosto de 2018, depois de um ano de pesquisa, no qual seus artistas se debruçaram sobre suas próprias experiências relacionadas à fé, tratando a dicotomia entre a "fé que nos salva" (ou seja, nos nutre para seguir em frente e nem sempre é de natureza religiosa) e a "fé que nos mata" (a qual, em sua maioria, mistura doutrina religiosa e doutrina político-eleitoral). Para Manchini, de certa maneira, o espetáculo surge como um eco de outro trabalho do Núcleo, "Coágulo", baseado na obra "O grande inquisidor", do escritor russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881). "Lá começamos a ter esse olhar mais crítico para a relação da religião com a autonomia do indivíduo: de pensamento e livre-arbítrio."

 

Contemplada pelo Programa de Ação Cultural (ProAC), da Secretaria de Estado da Cultura, a peça circulou por cidades do interior paulista e foi alvo de tentativas de censura. Na época, o grupo chegou a receber ataques nas redes sociais. Além das apresentações no âmbito do ProAC, o espetáculo marcou presença em diferentes festivais e unidades do Sesc São Paulo, e teve duas apresentações no Centro de Referência da Dança (CRD), na Capital.

 

Estreia

Na live de estreia do documentário, haverá um bate-papo online após a exibição, reunindo produtores, colaboradores e artistas envolvidos na peça e na obra audiovisual, promovendo o debate entre a classe artística e o público, que poderá enviar perguntas e fazer apontamentos por meio dos comentários. Participam da live Alexandre Manchini Jr.; os performers e pesquisadores do Núcleo Clarissa Maria, Malu Oliveira e Vinicius Francês; a sonoplasta e pesquisadora do grupo Larissa Macena; o professor e pesquisador na Universidade Estadual de Londrina (UEL) Aguinaldo de Souza; o dramaturgo e produtor teatral Homero Ferreira e a produtora executiva do Núcleo Arcênico Nathalia Paschoalli.

 

O documentário começou a ser gravado durante a temporada de oito apresentações de "A Fé que Acostumou a Falhar" realizada em setembro de 2018, na Swift, em São José do Rio Preto. Com direção de fotografia de Guilherme Di Curzio, "O Avesso do Altar" mescla cenas do registro audiovisual do espetáculo e depoimentos de artistas do Núcleo Arcênico.

Entre as inúmeras reflexões, os artistas repercutem os ataques recebidos na época das apresentações na cidade de Buritama, onde moradores reagiram negativamente ao trabalho e tentaram impedir a realização da segunda sessão, por conta da nudez.

Para Capelli, o documentário propõe uma discussão atual que transborda acontecimentos locais. Entre os diversos aspectos sobre os quais a obra reflete, ela destaca os trâmites políticos do cenário brasileiro contemporâneo, marcado pela produção maciça de "fake news", falta de informação, de fomento cultural e educacional e de extremismo político.

 

Outras atividades

Outra exibição ao vivo de "O Avesso do Altar" será realizada no dia 15 de agosto, às 20h, com um debate na sequência, reunindo convidados da área do audiovisual de São José do Rio Preto. Após as exibições ao vivo, o documentário permanecerá disponível no canal do YouTube do Núcleo Arcênico.

No dia 22 de agosto, às 20h, haverá lançamento de um artigo redigido por Carolina Capelli baseado nos questionamentos levantados pelo documentário, a partir de um viés antropológico. O documento será publicado nos perfis do documentário nas redes sociais.

  

SERVIÇO:

Documentário "O Avesso do Altar". Realização: Núcleo Arcênico de Criações e Di Curzio Produções Audiovisuais. Estreia: neste sábado (8/8), 20h, com exibição ao vivo no Facebook (@oavessodoaltar) e YouTube (canal Núcleo Arcênico), seguida de bate-papo entre produtores, colaboradores e artistas envolvidos. Classificação indicativa: 16 anos. Duração: 17'45". Gratuito.

 

 

Redes sociais do projeto: @oavessodoaltar (Facebook e Instagram)

 

Link para trailer:

https://www.youtube.com/watch?v=MqiSxZK3W88&feature=youtu.be

 

SINOPSE:

Partindo de uma leitura sobre o processo de criação, pesquisa e repercussão do trabalho de dança-teatro "A Fé que Acostumou a Falhar", lançado em 2018 pelo Núcleo Arcênico de Criações, o documentário propõe uma discussão às formações históricas de dominação religiosa no ocidente e seus expoentes patriarcais mais atuais como: institucionalização da bancada evangélica e a opressão à mulher, pautada na construção de uma moralidade.

 

FICHA TÉCNICA:

Argumento e direção: Alexandre Manchini Jr.

Roteiro: Carolina Capelli

Direção de fotografia: Guilherme Di Curzio

Edição e finalização: Guilherme Di Curzio

Entrevistados: Alexandre Manchini Jr., Aguinaldo de Souza, Luis Fernando Lopes, Jorge Vermelho, Homero Ferreira, Malu Oliveira, Larissa Macena, Vinicius Francês e Clarissa Maria.

 

Realização: Núcleo Arcênico de Criações e Di Curzio Produções Audiovisuais

O poder da empatia no bem estar das empr…

25-07-2020 Hits:243 Artigo / Coluna Fabio

Cada vez mais a ideia de competitividade dentro das empresas tem ficado para trás. As organizações do mundo todo já notaram a importância de humanizar os processos, assim como ajustar...