As plataformas de educação online entraram na mira dos cibercriminosos durante a pandemia e os brasileiros têm sido uma das principais vítimas. Um novo levantamento da empresa de cibersegurança Kaspersky revela que, ao longo do primeiro semestre deste ano, o Brasil foi o quinto país mais atacado por malware disfarçados de aplicativos de conferência ou de ensino. De acordo com o relatório, intitulado " Educação Digital: os ciber-riscos das salas de aulas online", o número de usuários que encontrou esse tipo de ameaça, no mundo, foi 20.000% maior em comparação ao mesmo período de 2019.
 
A publicação atribui a explosão dos ataques disfarçados de plataformas de ensino à popularidade do Zoom. O app de conferências, amplamente usado para ministrar aulas durante a pandemia, foi usado como isca em mais de 99% das ameaças detectadas. Em 2019, a ferramenta havia sido usada em apenas 14% dos ataques dessa categoria no primeiro semestre daquele ano.
 
Em segundo lugar, aparece o Moodle. Apesar do aumento dos malware disfarçados da plataforma de ensino a distância (672, em 2020; contra 497, em 2019), o Moodle representou cerca de 0,4% das ameaças dessa modalidade no primeiro semestre deste ano. Já no mesmo período de 2019, era usado como isca em 60% dos ataques.
 
O relatório mostra ainda que, dos malware detectados, pouco mais de 90% foram riskware - arquivos que, uma vez instalados nos dispositivos, permitem aos cibercriminosos executar ações sem o consentimento do usuário. Outros 7% foram de adware, enquanto cerca de 1% foi de trojans.
 
Para os analistas da Kaspersky, os números reforçam a importância de que as organizações de ensino orientem alunos e professores sobre cuidados elementares de cibersegurança. Para evitar ataques como os citados no relatório, por exemplo, deve-se alertar que se baixe os apps apenas de sites e lojas virtuais oficiais, além de ter sempre instalada uma solução de segurança em seu dispositivo.
"Os cibercriminosos estão sempre de olho em temas populares para adaptar seus ataques e a pandemia foi uma fonte inesgotável de iscas para golpes. E a explosiva popularidade do Zoom com os educadores levou a app para o topo da lista de temas de ataques de malware. Considerando que muitas escolas e universidades planejam continuar ministrando aulas online, é fundamental que elas tomem medidas para proteger seus ambientes de aprendizagem digital e seus alunos. E a contexto atual é ideal para introduzir algumas orientações básicas de cibersegurança, como a necessidade de proteção nos dispositivos móveis e a configuração correta das funções de segurança e privacidade sempre que baixamos uma nova aplicação", afirma Roberto Rebouças, gerente-executivo da Kaspersky no Brasil .
 
A íntegra do relatório "Educação Digital: os ciber-riscos das salas de aulas online" está disponível no Securilist .
 
Para ter dicas de como tornar o ensino online mais seguro e conveniente, acesse o blog da Kaspersky.
 
Sobre a Kaspersky
A Kaspersky é uma empresa internacional de cibersegurança fundada em 1997. Seu conhecimento detalhado de Threat Intelligence e especialização em segurança se transformam continuamente em soluções e serviços de segurança inovadores para proteger empresas, infraestruturas industriais, governos e consumidores finais do mundo inteiro. O abrangente portfólio de segurança da empresa inclui excelentes soluções de proteção de endpoints e muitas soluções e serviços de segurança especializada para combater ameaças digitais sofisticadas e em evolução. Mais de 400 milhões de usuários são protegidos pelas tecnologias da Kaspersky e ela ajuda 250.000 clientes corporativos a proteger o que é mais importante para eles. Saiba mais em http://www.kaspersky.com.br.
 
Fonte:  JeffreyGroup Brasil

Catanduva tem mais dois casos confirmado…

10-04-2020 Hits:392 Saúde Fabio

A transmissão comunitária é uma realidade em Catanduva e o número de pacientes confirmados também aumenta . O que chama a atenção é que eles tiveram contato com uma pessoa...