A Vigilância Sanitária de Catanduva acompanhou operação realizada pela Polícia Federal, nesta quinta-feira, dia 23, envolvendo denúncia de fabricação clandestina de álcool. Conforme verificado, o estabelecimento funcionava sem autorização. Diante do flagrante, os fiscais adotaram procedimentos. Dentre eles, foi feita a coleta de amostras de nove produtos fabricados no local. O material será encaminhado para análise no Instituto Adolfo Lutz, por conta da suspeita de adulteração.

A Vigilância Sanitária também determinou o imediato recolhimento da marca Próalcool para evitar que os consumidores sejam expostos aos riscos inerentes à fabricação clandestina do produto. Isso porque a investigação apontou que a empresa vendia a mercadoria a hospitais e supermercados, além de outros clientes.

Por consequência, foram elaborados autos de infração e de imposição de penalidade (interdição total e apreensão de produto), termo de coleta de amostra de produto. O próximo passo consiste na comunicação entre Vigilância Sanitária Estadual aos órgãos locais sobre a proibição da comercialização dos produtos fabricados pela empresa investigada. O setor também deve reforçar o alerta para não utilização do produto a quem adquiriu a mercadoria.

Balanço aponta que aproximadamente 10 mil litros de álcool e 1,9 mil frascos prontos para venda, além de 25 mil embalagens, documentos e produtos destinados ao envasamento do álcool ilegal também foram apreendidos. A competência para investigar os fatos é da Polícia Federal.

Fonte: Prefeitura de Catanduva

Coronavírus: Fundação Procon alerta s…

18-03-2020 Hits:233 Economia Fabio

Diante da pandemia de coronavírus, a Fundação Procon está de olho nos preços praticados em produtos de higienização e proteção como álcool em gel e máscaras cirúrgicas. Até o momento...