O Parque dos Ipês concentra um grande número de pessoas que usam o local como ponto de lazer e para prática de esportes.

Dois vereadores estão solicitando melhorias para que a população possa usufruir melhor da referida área.

O presidente da Câmara, vereador Gleison Begalli (PDT) está solicitando ao prefeito Padre Osvaldo de Oliveira Rosa (PSDB), junto a Secretaria de Meio Ambiente, para que seja dada a devida limpeza, roçagem, poda de árvores, eliminação de formigueiros, limpeza da pista de caminhada, limpeza do mato dentro da quadra de areia e canteiros, restauração da iluminação noturna do Parque dos Ipês.

Segundo o parlamentar, o local em questão encontra-se com muita sujeira, mato alto, árvores com ausência de poda e presença de formigueiros. A quadra de areia do respectivo complexo esportivo também está com mato, inclusive nos canteiros e a pista de caminhada encontra-se suja. Também chamou a atenção do vereador Gleison a baixa iluminação para realização de atividades físicas após as 18 horas.

O presidente da Câmara indica ainda para que seja dada a devida manutenção dos brinquedos da área esportiva e de lazer, bem como a pintura de solo, sinalização e correção da pista de caminhada e corrida, trazendo vida novamente a esse espaço.

O vereador Marquinhos Ferreira (PT) também está solicitando ao prefeito Padre Osvaldo à revitalização do Parque dos Ipês, na Avenida Theodoro Rosa Filho.

Vale lembrar que a obra foi feita pela Prefeitura de Catanduva e, segundo o parlamentar, a área encontra-se abandonada.

“Falta iluminação o que leva grande insegurança a quem frequenta o local. As quadras estão praticamente inutilizáveis e não existe infraestrutura como banheiros abertos e bebedouros para que as famílias que moram no local possam utilizar a área para o lazer”, destacou o vereador Marquinhos.

Foto: Assessoria Comunicação Prefeitura

Texto: Comunicação Social

Comunicado: Sincomercio Catanduva busca …

09-04-2020 Hits:638 Economia Fabio

O Sincomercio vem mantendo tratativas e conversas com a prefeita Marta Maria do Espírito Santo, desde antes do decreto estadual que determinou o fechamento do comércio e demais atividades.