A leucemia é o tipo de câncer infantojuvenil (até os 19 anos) mais comum no mundo, representando 30% de todos os tumores que acontecem antes dos 15 anos de vida e cerca de 20% abaixo dos 20 anos.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), são estimados 11.540 novos casos a cada ano no Brasil - sendo o 10º tipo de câncer mais frequente entre a população brasileira. Em linhas gerais, a leucemia é um tipo de doença maligna das células do sangue, que tem como principal característica o acúmulo de células jovens anormais - chamadas de blastos - que acabam ocupando o espaço das células sanguíneas normais na medula óssea ou ainda em outras partes do corpo, como gânglios linfáticos, baço, fígado, sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal), testículos e olhos.

Dentre os subtipos da doença, a que tem maior incidência na infância e juventude são as Leucemias Agudas, com destaque para a Leucemia Linfóide Aguda (LLA). Já a Leucemia Mielóide Aguda (LMA) é o tipo mais comum de Leucemia em adultos, correspondendo a 80% dos casos neste grupo. A ocorrência de LMA aumenta com a faixa etária (maior incidência acima de 65 anos).

"Comparados com casos em adultos, os tumores na infância são muito mais agressivos e evoluem com maior velocidade. Em contrapartida, a resposta às terapias costuma ser muito mais rápida, o que faz com que a maioria dos casos de câncer infantil sejam curáveis desde que haja o diagnóstico preciso e rápido e a criança seja prontamente encaminhada aos cuidados de uma equipe preparada para lidar com as especificidades da doença nos mais jovens", comenta o Dr. Sidnei Epelman, líder da especialidade de oncopediatria da Oncoclínicas e fundador e presidente da Associação para Crianças e Adolescentes com Câncer (TUCCA).

O que causa leucemia?

Não há uma causa comprovada pela ciência que indique as razões para o surgimento da leucemia na infância e juventude na maioria dos casos. Algumas condições genéticas, como a síndrome de Li-Fraumeni (mutação de origem hereditária que leva ao desenvolvimento de diferentes tipos de tumores nas mais diversas idades) ou a síndrome de Down podem atuar na predisposição da doença, assim como crianças que já tenham sido tratadas com quimioterapia e/ou radioterapia para outros tipos de câncer e aquelas que fizeram transplantes de órgãos e estão em uso de medicamentos supressores do sistema imunológico, mas esses fatores são tidos como exceção. "É importante ressaltar que, apesar de existir um risco do desenvolvimento de leucemia nestes casos, ele ainda é muito pequeno", comenta o oncopediatra.

Infelizmente, a leucemia infantojuvenil não é prevenível, contudo, é fundamental que a família procure ajuda médica caso haja sintomas que possam estar ligados aos sinais de alerta para a doença. "Quanto antes o tratamento for iniciado, maiores são as chances de cura", acrescenta.

Fique atento aos sintomas

Por serem sintomas comuns a outras condições que afetam as crianças, é muito importante estar atento ao conjunto de sinais e iniciar a investigação médica precocemente. Os principais sintomas de leucemia em crianças são:
 

● Dor nas pernas;

● Dor nas articulações;

● Sensação de cansaço extremo (fadiga);

● Febre;

● Palidez;

● Manchas roxas (equimoses) e/ou pintinhas vermelhas (petéquias) na pele;

● Hemorragias;

● Aumento dos gânglios linfáticos ou ínguas;

● Dor abdominal (causada por aumento do fígado ou do baço);

● Cefaleia;

● Vômitos;

● Nódulos subcutâneos;

● Falta de apetite contínua; e

● Perda de peso sem motivo aparente.
 

Para o início da investigação, será realizada uma análise da história clínica do paciente e também um exame físico. Durante a consulta, o especialista irá checar ainda os linfonodos (ínguas ou gânglios), áreas de sangramento, hematomas e aumento do baço ou fígado.

"O hemograma completo é uma ferramenta importantíssima também nessa primeira etapa. Através do exame, podemos checar se há alterações sanguíneas, assim como anemias, plaquetas baixas e presença de blastos", frisa o Dr Sidnei Epelman.

O exame pode incluir: mielograma (identifica a presença de células blásticas em número aumentado na medula óssea); a citometria de fluxo e imuno-histoquímica (que tem o objetivo de classificar a leucemia e o acompanhamento da resposta ao tratamento); cariótipo ou citogenética (avaliação dos cromossomos para identificar alterações genéticas) e a biologia molecular (mais sensível que o cariótipo na avaliação da mutação genética dos cromossomos).

Em alguns casos, pode ser necessário ainda uma biópsia do osso ou exame do líquor. Contudo, vale lembrar que apenas o médico poderá recomendar quais exames devem ser realizados durante a investigação.

Como funciona o tratamento para leucemia?

"Para definir o tratamento adequado, é importante levar em consideração cada caso individualmente. O mais realizado é a quimioterapia. Já o transplante de medula óssea, utilizamos naqueles casos que não evoluem bem ou de altíssimo risco", diz o especialista. Vale lembrar que a duração do tratamento para cada paciente também poderá variar.

A quimioterapia tem o objetivo de destruir as células doentes. Seus possíveis efeitos adversos são náusea, vômitos, queda do cabelo, mucosites (lesões em variados graus na mucosa do trato gastrointestinal e diarreia. É administrada por via venosa, oral, intramuscular ou subcutânea.

O oncopediatra ressalta que "o importante é garantir uma estrutura para oferecer o melhor acolhimento e a melhor condição de diagnóstico e tratamento dessas crianças e suas famílias. Esse é o caminho para, sem dúvidas, chegarmos a um final feliz", finaliza Sidnei Epelman.

Sobre a Oncoclínicas&Co

A Oncoclínicas&Co. - maior grupo dedicado ao tratamento do câncer na América Latina - tem um modelo especializado e inovador focado em toda a jornada do tratamento oncológico, aliando eficiência operacional, atendimento humanizado e especialização, por meio de um corpo clínico composto por mais de 2.700 médicos especialistas com ênfase em oncologia. Com a missão de democratizar o tratamento oncológico no país, oferece um sistema completo de atuação composto por clínicas ambulatoriais integradas a cancer centers de alta complexidade. Atualmente possui 145 unidades em 39 cidades brasileiras, permitindo acesso ao tratamento oncológico em todas as regiões que atua, com padrão de qualidade dos melhores centros de referência mundiais no tratamento do câncer.

Com tecnologia, medicina de precisão e genômica, a Oncoclínicas traz resultados efetivos e acesso ao tratamento oncológico, realizando aproximadamente 635 mil tratamentos nos últimos 12 meses. É parceira exclusiva no Brasil do Dana-Farber Cancer Institute, afiliado à Faculdade de Medicina de Harvard, um dos mais reconhecidos centros de pesquisa e tratamento de câncer no mundo. Possui a Boston Lighthouse Innovation, empresa especializada em bioinformática, sediada em Cambridge, Estados Unidos, e participação societária na MedSir, empresa espanhola dedicada ao desenvolvimento e gestão de ensaios clínicos para pesquisas independentes sobre o câncer. A companhia também desenvolve projetos em colaboração com o Weizmann Institute of Science, em Israel, uma das mais prestigiadas instituições multidisciplinares de ciência e de pesquisa do mundo, tendo Bruno Ferrari, fundador e CEO da Oncoclínicas, como membro de seu board internacional. Além disso, a Oncoclínicas passou a integrar a carteira do IDIVERSA, índice recém lançado pela B3, a bolsa de valores do Brasil, que destaca o desempenho de empresas comprometidas com a diversidade de gênero e raça.

Para obter mais informações, visite Link

Fonte: DIGITAL TRIX

Coluna vertebral na gestação: confira …

23-04-2021 Hits:1730 Saúde Fabio

Durante a gestação, o corpo passa por inúmeras mudanças. O aumento progressivo do peso, a pressão dos órgãos internos e as alterações hormonais, principalmente a partir do segundo trimestre -...