As baixas temperaturas estão atingindo muitas cidades paulistas e até o final do inverno novas ondas de frio estão previstas. Portanto, é preciso se preparar! E você sabia que, assim como você, seu carro também pode sofrer com o frio? É isso mesmo. A estação mais fria do ano costuma exigir mais atenção dos donos veículos com a manutenção em alguns itens, como o sistema de carga e partida, de lubrificação e é preciso ficar de olho no combustível, principalmente se abastecer com etanol.

Possíveis problemas

No caso do sistema de carga e partida (bateria, alternador e motor de partida), se o tempo de uso da bateria se encontra próximo ao final da sua vida útil, é possível que apresente problemas, pois as baixas temperaturas aceleram o processo de degradação. Por consequência, a bateria danificada pode causar danos ao alternador e motor de partida.

Veículos com motores "flex", quando abastecidos com etanol, podem apresentar dificuldade de partida se o sistema não conseguir identificar que tipo de combustível foi abastecido. O motor pode não funcionar ou funcionar com dificuldades até atingir a temperatura normal de trabalho.

O sistema de arrefecimento - responsável por manter a temperatura ideal do veículo - deve conter o tipo e quantidade correta de aditivo, pois além de inibidor de corrosão, o aditivo tem a função anticongelante para condições de temperaturas mais extremas.

Já para o sistema de lubrificação do motor, é importante a utilização do tipo e da quantidade adequada do lubrificante. Um lubrificante com índice de viscosidade incorreta pode contribuir para os problemas de partida e desempenho do motor em temperaturas mais baixas também.

5 dicas para manutenção

Agora, que já sabe o que precisa ficar atento, confira cinco dicas para manter seu veículo em dia durante o inverno:

• No caso do sistema de carga e partida, boas práticas podem garantir a extensão da vida útil da bateria, como: não usar acessórios como rádio e faróis com o motor desligado e desligar todos os acessórios no momento da partida. Ambos os casos ajudam a preservar a vida útil da bateria.

• A vida útil de uma bateria convencional é, em média, de dois anos. Portanto, a partir desse período, é recomendado fazer a verificação da bateria com equipamentos específicos e profissional qualificado, para determinar seu estado e eventual necessidade de substituição.

• Para veículos "flex", algumas montadoras recomendam rodar com o veículo por pelo menos 5Km quando houver mudança do tipo de combustível no abastecimento. Isso é necessário para que o sistema de gerenciamento eletrônico faça o reconhecimento do tipo de combustível utilizado e ajuste os parâmetros de funcionamento.

• Sobre as partidas a frio: alguns veículos "flex" são equipados com reservatório de gasolina para auxiliá-las. Recomenda-se o uso de gasolina aditivada nesse reservatório. Essa gasolina deve ser substituída a cada 90 dias.

• As névoas e umidades típicas do inverno contribuem também para acúmulo de resíduos na carroceria - parte externa do carro -, que podem danificar a pintura. Portanto, além de manter a carroceria limpa, é recomendável a aplicação de algum tipo de proteção para pintura, sempre por um profissional qualificado.

Em geral, se você costuma realizar a manutenção preventiva, recomendada pelos fabricantes, já está atuando na prevenção dos inconvenientes causados pelas baixas temperaturas. Portanto, além dos itens já citados, toda atenção ao estado dos pneus, calibragem com a pressão correta - pelo menos uma vez por semana -, e inspeção das palhetas do limpador de para-brisas, que costumam ressecar mais no inverno, são dicas valiosas para esse período.

Sobre o SENAI-SP

O SENAI-SP tem a missão de promover o desenvolvimento sustentável do País, elevando a competitividade da indústria, por meio da educação profissional, da inovação e tecnologia. Para isso, conta com 92 unidades de formação profissional distribuídas em todo o Estado, 78 escolas móveis, além de estratégias de educação on-line e híbrida.

Na vertente de serviços tecnológicos, atua com soluções integradas e customizadas às indústrias, por meio dos Institutos de Tecnologia e Inovação, que contam com plataformas compostas por laboratórios, pesquisadores e profissionais com alto nível de formação para entregar estratégias avançadas aos desafios das empresas.

Fonte: SENAI-SP