Retomados após uma suspensão temporária no início da pandemia, os concursos públicos compõem uma das faces do chamado "novo normal". Aproximadamente uma centena de processos seletivos estão com inscrições abertas para mais de 8 mil vagas nas cinco regiões do país. Mas com o novo coronavírus, as bancas organizadoras implantaram protocolos de segurança sanitária para proteger candidatos e profissionais responsáveis pela aplicação das provas. As medidas vão de aferição de temperatura corporal e disponibilização de álcool em gel a testes rápidos de Covid-19 e sanitização da estrutura física dos locais e materiais utilizados.

Nos últimos quatro meses, o Instituto de Desenvolvimento Institucional Brasileiro (Idib) realizou 10 eventos, entre provas objetivas, testes de aptidão física (TAF), provas práticas de motoristas de máquinas pesadas e avaliações psicológicas, além de abrir e reabrir inscrições para uma dezena de concursos. O instituto conta hoje com 34 concursos em andamento nas mais diversas etapas. A primeira prova de certame no país já com a pandemia, foi realizada pelo Idib, no mês de julho, em Araguaína, no Tocantins: um TAF para a Guarda Municipal que contou até mesmo com teste rápido para diagnóstico da Covid-19.

"O trabalho do Idib foi de muita maestria na administração de riscos, sanitização e medidas preventivas contra o coronavírus. Acredito que conseguimos cumprir todas as etapas com êxito graças ao empenho da banca e o efetivo apoio da Prefeitura, especialmente na execução do edital para a Guarda Municipal" diz a secretária Municipal de Administração da Prefeitura de Araguaína, Rejane Mourão.

Segundo João Divino, coordenador de projetos do Idib, em todos os eventos os candidatos estão sendo separados em dias e turnos diferentes para evitar aglomeração. "Até mesmo a quantidade de locais de provas foi ampliada, porque reduzimos pela metade a capacidade máxima dos ambientes. Temos que ser criativos e fazer um esforço extra para cumprir os cronogramas e garantir a segurança de todos os envolvidos. Nosso compromisso sempre foi com a lisura, seriedade e qualidade dos certames, mas nesses tempos de pandemia, tivemos que adicionar os cuidados com a saúde. É o que o momento exige", conclui.

Fonte: MPF Comunicação - Midiática: Palavra & Foco