Depois de mais de um ano trocando o giz pelo mouse e o uniforme por um avatar, está claro que as escolas não serão mais as mesmas. Os territórios educativos não são mais demarcados por fronteiras físicas (na verdade não existe mais fronteira alguma!)

Ajustar-se rapidamente às necessidades provocadas pela pandemia foi o grande desafio das empresas em 2020. O nível de prontidão e a maturidade tecnológica foram cruciais para manter seus colaboradores trabalhando de forma remota e seus clientes bem atendidos durante meses de restrições e distanciamento social. Sem dúvida, saiu na frente quem já estava preparado para a disrupção que estava por vir, mesmo sem saber que ela viria.

Em maio de 2020, 35% dos professores ouvidos em pesquisa do Instituto Península se diziam cansados. Em agosto já eram 46% e em novembro 53%. Com o agravamento da pandemia e o abre e fecha das escolas, é fácil supor que esse índice subiu ainda mais.

A mudança de discurso do presidente Jair Bolsonaro quanto à política ambiental brasileira, na recente Cúpula do Clima promovida por seu colega norte-americano, Joe Biden, foi positiva para o Brasil. Ao anunciar mais verbas para fiscalização, antecipação em dez anos, para 2050, da meta de neutralidade na emissão de dióxido de carbono e erradicação até 2030 do desmatamento ilegal, sinalizou uma nova atitude do País num tema crucial para a humanidade.

No Brasil, o transporte de produtos farmacêuticos apresenta muitos desafios em razão da complexidade da infraestrutura logística, grande extensão territorial e diversidade climática do país. Não é à toa que em 2019, a Anvisa publicou a Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) 304/2019, que se tornou o marco regulatório do setor.

Os Estados Unidos, nação que sempre pretendeu dominar o Mundo, está diferente. O que mudou na terra do Tio Sam?

A discussão se dinheiro traz ou não felicidade é um tema de debate recorrente e é difícil chegar a uma conclusão, já que a felicidade depende de muitos fatores. Mas uma coisa que podemos afirmar é que a falta de dinheiro gera inúmeros problemas para a saúde mental das pessoas.

É fato que o ser humano está destruindo o meio ambiente. Recentemente o documentário Seaspiracy, disponível na Netflix, abordou como a gente vem extinguindo populações de diversas espécies de peixes como os tubarões, e mostrou que se a gente continuar nesse ritmo, vamos acabar com a nossa própria espécie.

Na década de 50 do século passado, a Petrobras perfurou poços em Olímpia procurando petróleo, mas só achou águas quentes. Mais tarde, já na década de 80, a Paulipetro insistiu na prospecção e novamente encontrou água aquecida. Mas um grupo de empresários da cidade viu oportunidade de negócio na falta de sorte da cruzada petrolífera e logo abriu um parque aquático, o Thermas dos Laranjais.