Os últimos três meses foram incrivelmente quentes e recorde para a Mãe Terra. Agosto de 2020 não foi apenas o segundo agosto mais quente já registrado, mas o Hemisfério Norte teve seu verão mais quente, e o globo como um todo teve sua terceira temporada de três meses mais quente também.
 
Aqui estão os destaques do último relatório climático global mensal da NOAA:
 
Clima pelos números
 
Agosto de 2020

De acordo com cientistas dos Centros Nacionais de Informação Ambiental da NOAA, a temperatura média global da superfície terrestre e oceânica em agosto foi 0,94 ° C acima da média do século 20 de 15,6 ° C, tornando-o o segundo agosto mais quente em 141 anos recorde, atrás de agosto de 2016.
 
O Hemisfério Norte teve seu agosto mais quente já registrado, com uma variação de temperatura da média de 1,19 ° C, superando o recorde anterior estabelecido em agosto de 2016.
 
Globalmente, os dez agosto mais quentes ocorreram desde 1998 - com os cinco mais quentes ocorrendo desde 2015.
 
Do início do ano até agora e o verão meteorológico
 
A temporada de 3 meses, de junho a agosto de 2020, foi o verão meteorológico mais quente já registrado no Hemisfério Norte, ultrapassando 2019 e 2016, que anteriormente estavam empatados como os mais quentes.
 
Este período, que também marca o inverno do hemisfério sul, foi o terceiro mais quente da Terra no recorde de 141 anos a 0,92 ° C acima da média do século 20.
 
Globalmente, o acumulado no ano (janeiro a agosto) foi classificado como o segundo mais quente registrado, 1,03 ° C acima da média do século 20 de 14,0 ° C - logo atrás do recorde estabelecido em 2016. O acumulado do ano do hemisfério norte empatou com 2016 como o mais quente desde que os registros globais começaram em 1880.
 
De acordo com uma análise estatística feita por cientistas do NCEI, é muito provável que 2020 esteja entre os cinco anos mais quentes já registrados.
 
Estatísticas e fatos climáticos mais notáveis

O gelo do mar Ártico continuou diminuindo: A extensão média do gelo do mar Ártico (cobertura) em agosto foi a terceira menor já registrada, 29,4% abaixo da média de 1981-2010, de acordo com a análise do link externo do National Snow and Ice Data Center. A extensão do gelo marinho da Antártica estava próxima do normal e teve sua maior cobertura desde 2016.

Alguns continentes assaram: a América do Norte como um todo teve seu agosto mais quente já registrado (a região do Caribe teve o terceiro mais quente), batendo o recorde anterior estabelecido em 2011 em 0,13 °C. Em outros lugares, a Europa teve seu terceiro agosto mais quente, e a América do Sul e a Oceania tiveram seu quarto agosto mais quente.

2020 foi uma verdadeira caldeira de um ano, até agora: Europa, Ásia e região do Caribe tiveram seu período mais quente de janeiro a agosto. A temperatura média acumulada no ano da América do Sul foi classificada como a 2ª mais alta já registrada.
FONTE: Texto traduzido da página da National Oceanic and Atmospheric Administration por João Basso
 
Sobre a Climatempo
Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.
 
Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.
 
A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.
 
Fonte: Assessoria de Comunicação da Climatempo