Comer em endereços gastronômicos espalhados pelo País está mais barato para os consumidores do que fazer as refeições em casa. Isso é o que aponta a mais recente pesquisa da Federação de Hotéis, Restaurantes e Bares do Estado de São Paulo (Fhoresp). Entre 2020 e 2023, a inflação acumulada no segmento Alimentação Fora do Lar ficou em 24,7%, segundo o estudo. Já para quem opta por se alimentar em casa, o percentual alcançou 39,1%. Para não perder a clientela e fidelizar os consumidores mais antigos, estabelecimentos do setor têm segurado os preços e absorvido perdas - mas sem que a medida leve a baixo faturamento e prejuízo. Pelo contrário.
 
O levantamento do Núcleo de Pesquisa e Estatística da Fhoresp mostra, ainda, que, o custo de vida em geral acumulou alta de 25% em três anos. Para chegar a estes resultados, os pesquisadores da Federação se basearam nos dados mais recentes do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de março passado, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
O segmento de Hotéis, Restaurantes e Bares tem absorvido boa parte das despesas e reduzido o lucro para fidelizar a clientela, num esforço para deixar a alimentação fora do lar mais em conta e atrativa para o bolso do consumidor. Nos últimos anos, os estabelecimentos do setor arcaram com 14,4% dos seus custos, como bem destaca Edson Pinto, diretor-executivo da Fhoresp:
 
"Isso aconteceu, principalmente, durante a Covid-19, quando os bares e os restaurantes precisaram segurar os repasses e, assim, diminuir os impactos da queda das vendas, motivadas pelas regras sanitárias, à época - incluindo o distanciamento social. Porém, estes repasses ainda não alcançaram os níveis registrados antes da pandemia do Novo Coronavírus", reforça.
 Ajuste nos cardápios
 
O estudo produzido pelo Núcleo de Pesquisas da Federação de Hotéis, Restaurantes e Bares do Estado de São Paulo também sinaliza que os ajustes nos preços dos cardápios de endereços gastronômicos perderam força de janeiro de 2021 a setembro de 2022 - ainda como reflexo da pandemia de Covid-19. Neste período, os realinhamentos dos valores passaram a ficar abaixo da inflação geral.
 
Com isso, o aumento de preços no segmento Alimentação Fora do Lar fechou muito aquém do crescimento geral dos valores de bens e serviços consumidos pelos brasileiros - 7,1% x 10,6%:
 
"Esta situação demonstra, claramente, o empenho do setor em manter os valores do menu sob controle, absorvendo o aumento significativo nos custos dos alimentos, apesar dos desafios econômicos impostos pela pandemia do Novo Coronavírus", avalia Édson Pinto.
 
Empréstimos
 
Durante o período mais crítico da crise sanitária - a maior deste século - bares e restaurantes, ao sofrerem grandes perdas econômicas, lançaram mão de empréstimos, conforme lembra o diretor-executivo da Fhoresp.
 
"Esses estabelecimentos precisaram recorrer, também, a financiamentos e a programas de incentivo do governo federal, para continuarem em operação. E muitos ainda estão endividados e lutando para se recuperar totalmente, mesmo após quase quatro anos da pandemia", complementa.
 
Link para baixar a pesquisa na íntegra:
 

Fonte: Fiamini - Soluções Integradas em Comunicação - A serviço da Fhoresp

7 dicas para o colaborador se preparar p…

31-01-2021 Hits:1253 Vida / Estilo Fabio

Entre as principais delas está avaliar seu próprio desempenho e investir em uma rotina planejada