Estou em uma fase da vida que posso me permitir algumas coisas. Entre elas, escrever sobre o que eu não entendo, sem me censurar.

A emergência relativa à Covid-19 reforça a importância da pesquisa científica, uma das mais poderosas formas de gerar conhecimento, cada vez mais essencial para entendermos o mundo e vivermos melhor.

A reabertura das lojas no Brasil está longe de representar a retomada dos lucros. Ao contrário, no curto prazo, os comerciantes enfrentarão grandes dificuldades econômico-financeiras para operar seus estabelecimentos, em vista do baixo faturamento auferido desde o reinício das atividades e das vendas previstas para os próximos meses.

Em seu processo natural de sobrevivência e multiplicação, o novo coronavírus mostra-se eficiente, pois segue vencendo a guerra contra o ser humano.

Ajuda de advogados agiliza processos e acordos de pensão atingidos por crise econômica

Desde o início desta pandemia causada pelo novo coronavírus, ouvimos alguém dizer que vai passar e que, depois da tragédia, tudo voltará ao normal, exatamente como era antes.

Segundo estudo realizado pelo Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Brasil os casos de depressão praticamente dobraram desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o novo coronavírus como pandemia.

A pandemia continua, os trabalhos se adaptaram, as crianças estão em casa. Tempo é uma coisa que se pensava que iria sobrar e agora está faltando para cada um conseguir lidar com todas as demandas do trabalho e da família.

As bandeirinhas coloridas estão guardadas, o sanfoneiro silencioso usa máscara, o arrasta-pé foi cancelado. Quem nunca nesta época do ano vivenciou das mais variadas formas, dependendo da região, a alegria intensa de uma das mais contagiantes festas tradicionais do nosso país?