A agricultura familiar é responsável por 80% dos alimentos que chegam à mesa da população brasileira. Segundo dados do relatório de 2018 da ONU "Estado da Alimentação e da Agricultura", mas sabemos que a maioria dos pequenos agricultores não são remunerados de maneira justa como deveriam. Ainda falta muita capacitação e informação para que esses pequenos negócios aumentem seu lucro e possam produzir com mais qualidade.
 
Por isso, faço um convite para os empreendedores de diversos segmentos, olharem com mais carinho para agricultura familiar e para as soluções que a natureza nos oferece. A agroecologia local não precisa agregar somente a alimentação e pode ser a base para negócios de limpeza, perfumaria, têxtil, entre tantas outras. A natureza brasileira é riquíssima em diversidade de matéria prima eficiente, por que não nos dedicamos em criar produtos usando o que o planeta nós da?
 
Apoiar a agricultura familiar é também apoiar negócios mais sustentáveis e com mais possibilidades. Quando começamos a Positiv.a, víamos que a maioria dos modelos de negócios no Brasil eram muito verticalizados, o que impossibilita ter uma linha muito variada, já que com fabricação própria e industrial a produção de diferentes itens se torna muito mais complexa. Ainda usando o exemplo da Positiv,a, desde o começo buscamos ser uma solução para limpeza geral, com itens em barra, pó e líquido, por isso fomos atrás de quem já fazia bem ou fazia parcialmente para somar conhecimento com os fornecedores parceiros.
 

Atualmente, trabalhamos com 20 pequenos produtores - que nomeamos carinhosamente de agentes da mudança. A parceria é feita em formato de co-criação onde adaptamos juntos a produção e até as características do produto para chegar na solução ideal para os clientes finais. Dessa maneira, deixamos a produção com quem mais entende e a nossa energia é canalizada no desafio de conscientização e de aumentar cada vez mais o alcance da marca e acesso ao mercado.
 
É importante destacar que esse tipo de parceria envolve a responsabilidade de ter um trabalho de escuta, saber até onde o produtor quer ir e o que ele quer desenvolver. Nós temos uma mania de querer ajudar e não escutar o que o outro quer. Nesses casos, é muito mais importante ouvirmos o pequeno produtor, já que ele tem muito a nos ensinar e oferecer.
 
Sobre Marcella Zambardino
Formada em design pelo SENAC, Marcella Zambardino sempre utilizou essa ferramenta como meio de transformação social e ambiental. Em 2016, ao repensar hábitos de consumo, desenvolveu sua primeira linha de produtos de limpeza consciente. Foi assim que nasceu a Positiv.a, empresa B que cria soluções para cuidar da casa, do corpo e da natureza. Por meio de produtos e serviços, a marca dedica-se a reestabelecer o equilíbrio entre meio ambiente e sociedade. Atualmente, Marcella é Co-CEO da Positiv.a, sendo responsável pela gestão das áreas de comunicação, inovação e atendimento, dividindo o posto de CEO com Leandro Menezes.
 
Fonte: Fala Criativa